Carta do Director

        Pus a mala às costas e parti para o primeiro dia de aulas deste ano. Lembro-me como se fosse hoje...
        Essa manhã foi, de certa forma, especial. A última coisa que procurava era um lugar sentado num qualquer anfiteatro dentro da faculdade, simplesmente precisava de alguma coisa que me ocupasse um pouco o espírito de forma mais... agradável, e pensei que uma revista podia ser uma forma de me distrair. Uma revista cientifica que me despertasse o interesse seria o ideal!

        Mas, no entanto, procuro, procuro, procuro, e o que vejo são revistas de carros, de desporto, economia, informática, telenovelas, etc, e outras ainda menos educativas... É então nessa altura que a minha consciência se interroga: Mas que é feito da física, da química, da matemática, que ouço falar todo o santo o dia e para a qual eu despendo grande parte das minhas energias e ainda uma maior porção do meu tempo?! Será que para eu aprender algo de novo e realmente atraente sobre ciência tenho sempre de gastar dinheiro em livros, que provavelmente nunca terei tempo para terminar? Ou, por outro lado, será que é simplesmente o povo português que não tem qualquer espécie de interesse por este tipo de assuntos?
        E a esta última pergunta eu esclareço imediatamente que não! Ao contrário do que se diz, felizmente a juventude portuguesa está repleta de mentes ávidas que anseiam ir mais além da realidade do dia-a-dia e alcançar a verdade das coisas que reside na sua essência.

        A ciência nasceu da curiosidade natural do ser humano, da sua forma de percepcionar e entender o mundo, e deve ser sempre transmitida como tal.
        Ora, como todos sabemos, muitas vezes este objectivo é esquecido e assuntos realmente importantes são dados como um amontoado de fórmulas chatas dadas como verdadeiras, onde não existe qualquer intenção de promover o pensamento, mas apenas a capacidade de armazenar dados, de uma forma não muito distante daquilo para que um simples computador serve.

        Falta-nos algo que inspire verdadeiramente o amor à ciência e que motive os jovens para a conquista incessante de novos horizontes do saber.
        E é precisamente esse o objectivo do nosso grupo de estudantes de física! Não só divulgar e dar a entender tudo aquilo que acontece no mundo da física, mas também pôr à disposição de todos esse mesmo conhecimento de forma tangível e acessível aos menos especializados nas matérias.

A Redacção


topo